Dicas para passar no exame GAIQ

Esta semana começou bem. Fiz pela primeira vez o GAIQ exame (Google Analytics Individual Qualification) e passei. O teste dura 90 minutos e, ao contrário do exame GAF (Google Adwords Fundamentals), a tela não é bloqueada. Ou seja, você pode consultar outros sites enquanto faz a prova. Claro que isso não exclui a necessidade de estudar antes. Os 90 minutos voaram e se eu não tivesse passado as ultimas três semanas estudando, não teria conseguido.

O que estudar: Assista com atenção cada um dos vídeos do Google Conversion University

Depois, aprofunde seus conhecimentos em cada um dos itens citados, como por exemplo:

- Tipos de cookies que o Google Analytics utiliza e as funções de cada um;

- E-commerce tracking (AddTrans(), AddItem(), TrackTrans());

- Tags de URLs com variáveis de UTM para identificar performance de campanhas;

- Tracking de subdomínios no Analytics;

Enquanto faz a prova, tenha aberto em outra janela:

- Ferramenta URL Buider

- Ferramenta Regex

E para rápidas consultas: Google Analytics Tracking Code, Analytics Help e uma conta de Google Analytics que você possua.

Para fazer a prova, crie uma conta no centro de testes do Google. O exame custa 50 dólares e só está disponível em inglês.

Para passar, deve-se acertar no mínimo 80% da prova.

Ao concluir a prova com sucesso, você recebe um certificado em PDF como esse:

Boa sorte!

CategoriasGoogle Analytics

Encontre Sites para Link Building usando Twitter e Google Docs

março 23, 2011 3 comentários

Qualquer campanha de link building inclui uma pesquisa de sites relevantes para a indústria. Quais sites têm potencial de linkar para o nosso? Uma das formas de levantar essa lista é buscar pelas principais palavras-chave no Google e ver quais sites aparecem nos resultados. Outra comum é procurar no Open Site Explorer os sites que linkam para seus concorrentes. Uma alternativa – ou melhor, um complemento – é utilizar o Twitter em conjunto com o Google docs. Essa dica foi passada durante o evento Think Visibility, que aconteceu em Leeds, no início do mês. Eu testei e tenho usado bastante, por isso vou dividir aqui no blog com vocês.

Continuação no SEO de Saia

Apresentação de Link Building

março 10, 2011 8 comentários

Uma empresa de Londres me pediu uma proposta de link building para um site brasileiro. Aproveitei a folga na quarta-feira de cinzas para fazer a apresentação abaixo, em inglês.

 

 

Dúvidas e sugestões para melhorar a apresentação? Deixe seus comentários. :)

CategoriasLink Building

E nasce o blog SEO de Saia

Conheci em Londres uma das colaboradoras do SEO-Chicks, que me apresentou esse blog de SEO e marketing digital escrito apenas por mulheres. Achei a idéia interessante e passei a acompanhar os artigos delas com frequência. De volta ao Brasil, não encontrei nada similar em português e decidi então criar o SEO de Saia.

Ver mais em SEO de Saia

 

CategoriasBlogosfera

As minhas melhores e piores estratégias de link building em 2010

dezembro 29, 2010 11 comentários

Parece que foi ontem que escrevi meu primeiro post aqui no blog, tentando explicar o novo trabalho que eu tinha conseguido em Londres. Depois de meses fazendo bicos como garçonete em Dublin e  Itália, meu novo trabalho seria o de link building. “Link what???”, era a reação da maioria quando eu explicava meu novo trabalho.

Link building. Essas foram as palavras que eu mais falei, escrevi e tuitei em 2010. Construir links para sites foi a minha principal tarefa diária durante doze meses. Hoje, já de volta ao Brasil, e em clima de final de ano, vou avaliar minhas principais estratégias e contar as que tiveram maior e menor sucesso.

A de menor sucesso primeiro. Espero assim que você se esqueça dela quando chegar ao final do artigo. Morro de vergonha de confessar, mas aí vai:

 

Comentários em blogs:

Fazer comentários bobos em blogs alheios só para conseguir links é tão feio quanto inútil, já que a grande maioria dos links em comentários é “NoFollow”. Quando eu comecei a fazer link building, cada vez que via um comentário em blogs com link apontando para um site concorrente deixava um também. O pior é que a ingênua aqui deixava comentários com meu nome real. Para entender o drama, veja os resultados para uma busca no Google pelo meu nome ainda hoje.

Conclusão: Deixar comentários em blogs para fazer link building não é estratégia, é burrice. Com seu nome então, pior ainda, já que suja o nome da empresa e o seu junto. É errando que se aprende, mas alguém tem uma máquina do tempo para me emprestar?

 

Marketing de Artigos

Fazer marketing de artigos como estratégia para link building funciona melhor lá fora do que aqui no Brasil. O motivo é que existem pouquíssimos diretórios de artigos em português –acredito que menos de um décimo do número de diretórios em inglês. Como a principal vantagem de fazer marketing de artigos é conseguir links em forma de palavras-chave, de pouco adianta distribuir artigos para diretórios em inglês.

Páginas em diretórios de artigos, tanto no Brasil como no exterior, têm baixo Page Rank. Isso porque grande parte do conteúdo deles é de baixa qualidade e não atrai links naturalmente. Por isso só se consegue bons resultados com uma quantidade grande de links distribuídos em diferentes domínios. Em Londres, eu e outros SEOs usávamos ferramentas de distribuição de artigos, como o Unique Article Wizard, que distribuía o mesmo artigo modificado para diversos sites e diretórios de artigos.

Poluir a Internet com artigos de baixa qualidade com links em âncora perfeita para o seu site não é a técnica mais “White hat” do mundo. Por isso, deve-se tomar cuidado para não tornar o perfil de backlinks do site pouco natural. Não exagere do marketing de artigos e modifique bastante as palavras-chave, incluindo também algumas mais naturais como “clique aqui” e nome da empresa.

Aqui no Brasil não conheço nenhuma ferramenta de distribuição como o Unique Artique Wizard e, com pouquíssimos diretórios de artigos, fica mais difícil abusar da técnica – como fazem os SEOs de Londres. Mesmo assim, vale um conselho: Pelo mesmo motivo que mostrei acima, não utilize seu nome real quando abrir perfil nos diretórios de artigos.

Leia mais sobre marketing de artigos para link building

 

Guest Blogging ou Atuar como escritor convidado em outros sites

Guest blogging e Marketing de artigos não são a mesma coisa. Pode-se confundir os dois porque ambos utilizam conteúdo em forma de artigos e são excelentes para conseguir links em forma de palavras-chave.

Semelhanças a parte, quando se atua como escritor convidado em outro site, existem algumas regras a serem seguidas, como por exemplo:

- O artigo deve ser único para cada site;

- Normalmente, sites de melhor qualidade não aceitam qualquer conteúdo e por isso deve-se prezar pela qualidade do seu texto – muito mais do que se estivesse escrevendo para diretório de artigos;

- Deve-se incluir somente links que fazem sentido para o leitor e acrescentam seu artigo;

- Normalmente não se inclui mais de três links para um site por texto;

- Caso não faça sentido incluir links para seu site dentro do artigo, coloque seu link na assinatura. Converse com o dono do site ou blog antes para saber se pode colocar seu link em forma de palavra-chave;

Veja mais dicas de Guest Blogging.

Atuando como escritora convidada, eu consegui links em blogs que concorriam com meu cliente nas Serps e em sites de boa qualidade. Dava muito mais trabalho e consumia bastante tempo, mas o resultado era muito melhor que o de marketing de artigos.

 

Produção de Vídeo

Muitas vezes, para se conseguir links em bons sites é preciso oferecer conteúdo diferenciado. Por isso, eu mesma produzi um vídeo entrevista relacionado ao tópico do site em que eu trabalhava e ofereci a outros sites do setor. Por causa desse vídeo consegui links em sites relevantes e de autoridade na indústria do meu cliente.

Veja abaixo o vídeo produzido.



 

Uso do telefone

Um SEO que se preze ama computador e novidades da tecnologia. Tanto que às vezes nos esquecemos daquela coisa antiga e sem graça que é o telefone. Eu percebi que a taxa de sucesso com o uso do telefone é muito maior do que com o uso do e-mail. Contei um exemplo de sucesso com o uso do telefone no post Comandos para link Building.

 

Ajudar Jornalistas

Eu contei no post SEO In-house x agência como quase consegui um link no site da USP ajudando seus assessores de imprensa a entrevistarem um dos diretores da empresa em que eu trabalhava. Procurar por notícias em potencial e promover para jornalistas de sites importantes pode ajudar a conquistar links de alto valor. Ah, lembre-se de usar o telefone. Ligue para o jornalista em vez de enviar e-mail, ele vai te dar muito mais atenção.

 

E para você, quais estratégias de link building tiveram maior sucesso em 2010?

 

Antes de finalizar meu último post de 2010, quero agradecer a todos que acompanharam o blog esse ano, deixaram seus comentários, tuitaram e entraram em contato comigo. Muito sucesso em 2011 e até o ano que vem!


CategoriasLink Building

Dicas do Pro SEO – revendo as palestras antes do Pubcon

novembro 6, 2010 2 comentários

Quase uma da manhã aqui em Londres. Estou esperando meu vôo para Las Vegas que sai às 9 horas. Para chegar ao aeroporto duas horas antes do vôo, tenho que sair de casa às 5:30. Decidi passar a noite acordada, guardar o sono para o avião, e rever algumas palestras do Pro SEO antes de ser inundada por mais informações no Pubcon.

Segue então a cobertura de algumas das palestras do Pro SEO.

 

Análise de Sites ao Vivo, com Rand Fishkin, Tom Critchlow e Stephen Pavlovich.

- Excesso de otimização pode prejudicar o site.

Excesso de links no rodapé, como nesse site ou links para páginas internas que não soam naturais para os usuários não apenas não ajudam, mas também podem atrapalhar o rankeamento de um site.

 

excesso de links no site

 

-Melhor estrutura para o blog da empresa: http://www.domain.com/blog

Um blog atrai links mais facilmente do que a parte comercial do site e colocá-lo em um subfolder ajuda o site todo.

O conteúdo do blog deve ser feito para os usuários, não para os mecanismos de busca. Não exagere na otimização de títulos e linkagem interna.

- Cuidados no check-out do site:

Use Ajax para identificar se o usuário é novo e não o tire da página do produto que ele quer comprar. Pedir o mínimo de informações possível e nunca, jamais e em hipótese alguma solicitar data de nasimento. Cuidado com vouchers de desconto – o cliente pode querer sair da página de check-out para procurar o desconto na internet. Não indicar o preço em vermelho – usar verde ou preto.

- Se o site for proibido para menores e a verificação da idade do usuário obrigatória, use JavaScript overlay.

Exemplos: Johnnie Walker x Smirnoff. O site da Smirnoff é o melhor exemplo. O uso do JavaScript overlay permite que o conteudo da página principal seja rastreado pelos mecanismos de busca.

Outras dicas:

Participar de sites como o Quora para interagir com a comunidade do seu setor e sites sociais para promover produtos diferenciados, como esse do site Prezzi Box.

 

imagem link bait

 

 

Arquitetura da Informação e Navegação Facetada, com Duncan Morris (@duncanmorris)

Navegação facetada permite que você encontre informações por caminhos diferentes. Por exemplo, classificar os produtos do site por preço, modelo, cor etc.

“SEO deve ser invisível no site, atrás de uma arquitetura de informação inteligente e incrível experiência para o usuário.”

Alguns problemas comuns em sites maiores:

- Conteúdo duplicado, falta de conteúdo único nas páginas;

- Várias páginas concorrendo pelas mesmas palavras-chave;

- Páginas sem inbound links;

- Páginas não indexadas;

Dicas:

- Usuários do site são preguiçosos. Deve-se sempre facilitar a busca deles pelo que procuram;

- O objetivo é indexar 100% das páginas de produtos e criar o menor número de páginas de navegação possível;

- Todas as páginas devem ser acessíveis da página principal com o mínimo de cliques possível;

- Use técnicas de Javascript para filtrar e ordenar produtos do site;

- Defina a hierarquia das categorias e mantenha as urls limpas. Cuidado para não criar páginas duplicadas com urls diferentes, como no exemplo

http://www.lovefilm.com/browse/film/dvd/action/

http://www.lovefilm.com/browse/film/action/dvd/

- Encontre o diferencial de cada página importante e construa conteúdo único para cada uma delas;

- Exclua do index páginas geradas por resultados de busca interna do site.

 

 

Mais informações sobre o assunto:

http://searchengineland.com/a-turning-point-in-the-field-of-seo-44561

Livro indicado: Search Patterns (Design for discipline-making) – Peter Morville

http://www.google.com/support/forum/p/Webmasters/thread?tid=382b94ee7159f659&hl=en

 

 

Enfrentando a canibalização de links causada pelo Twitter , com Rand Fishkin (@randfish)

Há dois ou três anos era muito mais fácil conseguir links através de bom conteúdo. Hoje, no lugar de comentar o conteúdo no blog com link para o site, as pessoas tuitam e compartilham no Facebook. Como conseguir os tradicionais links que os mecanismos de busca valorizam?

Tática 1: Conteúdo embutível  (“embeddable content” em inglês)

Exemplos: infográficos, selos (badges) e Widgets;

Tática 2: Pesquisas e dados, rankings e prêmios para bloggers, explicação de conteúdo complicado, como nesse post.

Tática 3: Sindicar conteúdo. Melhor exemplo: atuar como escritor convidado em sites e blogs;

Tática 4: Procurar nichos em que twitter não é tão popular. Em fóruns tradicionais utilizados por profissionais menos expertos em internet links são dofollow (mas não abuse!);

Tática 5: Pedir links para amigos, familiares, parceiros, clientes e vendedores;

Tática 6: Torne seus tweets e de líderes da indústria em conteúdo para o seu site;

Tática 7: Twitter pode estar influenciando alguns rankings e é ótimo para dirigir tráfego para o site. Procure os influenciadores do mercado. Número de seguidores não é importante. O mais importante é o CTR – ou seja, quantas pessoas clicam nos links que você posta nos seus tweets. Melhor métrica: “Rank” da ferramenta TwitterGradder;

Alguns Tweets sobre a palestra.

 

 

Link Building Avançado, com Wiep Knol

A palestra do Wiep foi definitvamente uma das melhores do evento. Não que ele tenha falado muita coisa nova, mas ele mostrou que link building deve ser feito de forma estratégica e contou um caso real de sucesso.

A agência dele foi contratada para link building por um site novo da indústria de viagens, uma das mais saturadas e competitivas. O desafio era usar apenas conteúdo para construir links.

O que ele fez:

- Buscou outras audiências em sites de indústrias menos saturadas. Entre elas: Sites religiosos, sites sobre comida e sites oficiais de cidades e países. Buscou idéias de conteúdos comuns para ambas as indústrias.

Para conseguir links em sites religiosos, criou um artigo bem elaborado em imagens e texto sobre as igrejas mais bonitas do mundo. Segundo ele, a tática deu certo porque atingiu um público que tem interesse em divulgar o conteúdo criado.

 

Fonte

 

Conseguiu links em sites da indústria alimentícia através de artigos sobre alimentos estranhos encontrados em diversas cidades do mundo. Segundo ele, a audiência de sites de alimentos é apaixonada pelo assunto e gosta de divulgar bom conteúdo.

 

comidas estranhas - link bait

Fonte

 

Para conseguir links em sites oficiais, eles criaram artigos sobre as estações de trens mais bonitas do mundo. Ele contou que teve muita sorte, já que o prefeito de Bruxelas tinha acabado de gastar uma fortuna na reforma da estação de trem da cidade – uma das apontadas entre as mais belas no seu artigo – e por isso conseguiu links no site oficial e os assessores de imprensa do governo o ajudaram a divulgar o artigo.

 

Fonte

 

Resultados:

Cerca de 900 novos domínios apontando para o site;

Três links em PR8, 21 em PR7 e 56 em PR6;

Sete links em sites concorrentes;

Nenhum link foi pago;

Apenas 20 links foram solicitados;

Mais de 25 citações em jornais nacionais;

Duas entrevistas em radio e duas menções na TV;

Inclusão na sugestão do Google da Bélgica; (não ficou claro a inclusão foi do site ou dos artigos)

Respeitável ranking para um site novo;

 

 

Apesar da palestra ter sido muito interessante, ele não divulgou o site e por isso não é possível verificar a as informações passadas. Ele disse que a elaboração dos artigos foi a parte mais difícil da estratégia, mas não explicou se inseriu links para o site dentro do artigo ou como assinatura do autor.

Eu tentei encontrar os artigos dele no Google e encontrei diversos artigos com os títulos citados, mas nenhum deles continha link para sites de viagem. De qualquer forma, fica a idéia como dica: Produzir bom conteúdo e se destacar dos seus concorrentes com links em sites de autoridade.

Update: Já são 4:30. Hora de me preparar e partir. It’s Vegas time! :)

Desvalorização de links em indústrias competitivas – ProSEO

Patrick Altoft explicou em palestra no Pro SEO como se visualiza o perfil de links de um site para sua estratégia de link building. Sites com muitos links em forma de marca podem precisar de mais links em forma de palavras-chave e vice-versa.

Ele deu uma boa notícia para SEOs: Links em forma de nome da empresa não só tornam o perfil do seu site mais natural, como também fazem com que os mecanismos de busca o reconheçam como marca. Ele disse que um site com a marca fortalecida – ou seja, com bons links em forma de nome da empresa – não precisa de tantos links em forma de palavras-chave para melhorar de ranking. Ainda, sites com marca fortalecida são mais difíceis de serem penalizados por compra de links.

Uma dica bacana foi a visualização dos back links em forma de nuvem de tags. Para isso, basta baixar a lista de texto âncora dos links para o site que você está analisando e inserir no Wordle. Dessa forma, fica fácil visualizar se o site tem um perfil de links natural e quais palavras-chave apontam para ele com mais frequência.

Segue a apresentação dele abaixo. Essa foi passada no a4u Expo London, mas é a mesma do Pro SEO.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: